O que foi Ouro pra mim.

Sempre fiquei muito irritada com as pessoas que criticavam as Olimpíadas perto de mim (entendo todos os problemas do Brasil, gente, mas um evento desse porte poderia trazer tanta coisa boa, né?), mas desde o ano passado eu só respirava Olimpíadas. Eu precisava ser otimista e tentava de todos os jeitos passar esse otimismo adiante. A gente já tinha vivido a Copa do Mundo. A gente sabia o quanto o durante era maneiro. Ia ser igual ou melhor.

E aí as Olimpíadas chegaram e foi MUITO melhor do que eu podia imaginar. O brasileiro de forma geral nunca ligou muito pra Olimpíadas e eu sempre estive nessa estatística. As únicas modalidades que eu lembro de assistir eram Ginástica Rítmica (porque é lindo) e futebol (porque sempre se cria um evento pra assistir um jogo importante).

Mas a gente se envolveu. A gente amou Rafaelas, Isaquias, Thiagos, Diegos, Arthures, os refugiados. A gente acompanhou loucamente uma final de Tiro – e achou emocionante. A gente aprendeu as regras de esgrima. A gente agora entende tudo de pirueta. A gente conheceu ídolos, torceu por eles, ficou de coração mole quando eles choraram no pódio (eu chorei em TODOS os pódios que eu assisti. Só de lembrar agora já to aqui com um nozinho na garganta).

Aqui no Rio, vi mais gente com mapa na mão do que sem. E isso me dá um orgulho! Sou completamente apaixonada pela minha cidade (como vocês já devem ter percebido) e ver todo mundo aqui… ai, eu nem sei o que dizer. Só sentir… Todo mundo virou guia turístico, abriu as portas para amigos de fora, quis conhecer e ver tudo que tinha pra fazer durante esses dias na cidade (embora fosse impossível ver tudo). Foi lindo ❤

E enquanto tudo isso rolava, eu estava lá no Boulevard Olímpico, dentro do Parada Coca-Cola, fazendo parte de uma mega engenhoca que fez com que as redes sociais da marca contassem pelo menos um pouco de toda essa história linda que eu contei nos parágrafos acima.

O Boulevard, pra mim, ficou um dos lugares mais legais do Rio. Toda a revitalização deu um levante no ego do lugar, que era trashzêra braba. Foi incrível ir pra lá todos os dias e dar sempre uma voltinha pra comer uma empanada, um sorvete e tirar uma foto.

Foi muito intenso. Lembro no dia da abertura que o meu turno era até 15:30. Saí para encontrar umas amigas. Comecei a assistir a abertura com elas no Jardim de Alah. Não aguentei e pedi um Uber e saí correndo para o centro da cidade pra acompanhar o resto da cerimônia com o pessoal e trabalhando hahahaha

Foi intenso também porque além do ritmo do trabalho que era puxado, ainda tinha o ritmo de uma pessoa que não queria perder nada! Queria assistir jogos, ir em todas as casas de todos os países e marcas, encontrar os amigos e ainda ter saúde no final (isso não deu, porque eu fiquei gripada, claro hahaha). Tudo não deu pra fazer, mas deu pra curtir bastante.

Pra mim as Olimpíadas tem uma magia de união muito única. Tem chance pra muita gente ganhar e quando eles ganham, AH, como é emocionante. Você saber que aquele atleta dedicou a vida dele inteira pra se resolver em algumas horas, minutos ou até segundos. Isso é muito foda! Mas também tem o lado ruim se ele perde, mas prefiro não falar disso porque se não eu choro (hahaha dá pra perceber que eu to levemente emotiva, né?)

E o último pódio? No meio da cerimônia de abertura. O sorrisão do americano? O cara da Etiópia que tava todo sério e quando ouviu o grito da galera abriu um sorriso? A felicidade do queniano, que deu a levantada de ombrinho mais fofa do mundo? O hino do Kenya tocando e ele no meio de toda aquela galera que talvez nem soubesse quem ele era antes. E ele num momento que o mundo inteiro tava vendo. E era só dele. GENTE! Se isso não é especial, eu não sei mais o que pode ser.

Enfim, pra terminar o textão, um super obrigada a Coca-Cola por ter me envolvido nisso, por me despertar essa paixão, por me deixar tão apaixonada por uma campanha e por me fazer ter uma das melhores experiências da minha vida. E um obrigada a todos os envolvidos que tavam lá. Vocês são FODA!

#IssoÉOuro 

E que venham as Paralimpíadas!

Anúncios

6 on 6 de julho

Nesse post aqui contei o que era o 6 on 6, como fui convidada pra esse grupo etc.

Como vocês bem podem perceber, eu ando pseudo desaparecida daqui e das redes sociais de modo geral hahaha. Passando as Olimpíadas, gente, tudo vai mudar. Eu juro! (eu espero também hahaha)

Aí né, que ontem foi dia 6 e eu já estou atrasada nas fotos do mês. Mas aqui vão elas. No clima junino, com bandeirinhas, com um forrozinho como trilha sonora e muitas calorias. ❤ #melhorépoca E, não sei se é porque eu nunca me atentei pra essa época aqui no Rio, mas esse ano pelo menos tem rolado várias festas na rua, num climinha de Carnaval. Tá uma delícia!

Processed with VSCO with a5 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetimg_0003img_0004img_0051

  1. Arraiá do Multibloco nos Arcos da Lapa.
  2. Arraiá do Pérola da Guanabara em Paquetá (essa foto é roubada porque já entrou aqui no post de Paquetá hehe)
  3. Arraiá do Rivalzinho
  4. Arraiá do Largo do Boticário
  5. Arraiá do Largo do Boticário
  6. Arraiá do Largo do Boticário

Quem aqui também tá nesse clima junino?

Se você ainda não viu o blog das outras meninas, vai lá agoraaaa! hahaha

Na Minha Vida – Sunshine By LuDois Sorrisos – Café com Sorvete

Em Paquetá

Todo Carnaval e meados de junho e julho, várias pessoas pegam suas fantasias/roupas de festa junina, se arrumam e pegam a barca na Praça XV rumo a Paquetá.

Pra quem não conhece, Paquetá é uma ilha aqui do Rio que fica no meio da Baia de Guanabara. Bem no meião mesmo. Quando você chega lá, você sente que está numa cidadezinha que parou no tempo (apesar de não ser uma cidade). Não tem carro, as casinhas são super fofas. Um ar delicia de interior.

Sempre tenho alguma outra coisa pra fazer e nunca consigo ir pras festas lá. Fico morrendo de pena quando as pessoas começam a compartilhar as fotos. Mas aí dessa vez tava eu de bobeira em casa, quando uma amiga avisa que a festa junina seria num domingo que eu não tinha nada pra fazer. Quase dei um pulo da cama! Já não dava mais tempo de arrumar uma roupitcha de festa junina, mas tudo bem hahaha vai normal mesmo.

Normalmente a festa já começa na barca, quando as bandas tão a caminho da ilha. Mas a gente perdeu essa barca hahahaha

Como só dá pra ir e voltar de barca, é bom ficar ligado nos horários de ida e volta. Principalmente da volta, pra não correr o risco de ter que descolar um canto pra dormir por lá.

Num dia normal, sem festa, super dá pra ir pra lá curtir o dia. Dessa vez fomos catar um lugar que vendia a cerveja Paquetá (uma cerveja artesanal bem boa) e fomos parar na Casa das Artes. SÉRIO! QUE LUGAR FOFO! Parece uma construção daquelas do Gaudi, lá de Barcelona.

Lá rola almoço e vende a tal da cerveja, que vale muito a pena experimentar. Aí depois de dar uma voltinha pela ilha, senta lá pra comer, assiste o pôr do sol e volta. Delicinha de passeio ❤

img_9811Processed with VSCO with c1 preset

Pela Praça Mauá

Durante quase um ano e meio eu trabalhei no Centro da Cidade, no início da Avenida Rio Branco, quase na Praça Mauá. Não tinha lugar no Rio de Janeiro que eu gostasse menos de estar. Em plenas obras, com muito barulho, muito trânsito (que sempre mudava e só deixava tudo mais confuso e me fazia andar de metrô, coisa que não sei explicar, mas eu também não curto muito). Já era um stress chegar no trabalho depois de uns 10 minutos de caos (caminho do metrô até a agência).

Um pouquinho depois deu sair de lá, PAH! A Pracinha deu um belo tapa na minha cara. Eu só tinha ido lá a noite, na época do Art Rio e, há algumas semanas atrás rolou uma feira da Carioquíssima e lá fui eu, ver o que que a praça tem.

A Praça também tem um letreirão tipo o de Amsterdam, só que escrito “Cidade Olímpica” (mas as pessoas preferem tirar foto só com as quatro últimas letras. Não me excluo dessa zoeira ahahahah).

A Praça não tem muitas árvores. O que traz um vibe Deserto do Saara. Mas tem três coqueiros!

Processed with VSCOcam with c1 preset

A Praça fica pertinho do Morro da Conceição. Um lugar que eu já falei muito por aqui e é o que aquela região tinha de mais legal ~na minha época~.

A Praça tem dois museus, o MAR – Museu de Arte do Rio e o Museu do Amanhã. Eu queria ter ido no segundo, mas a fila tava tensa. Se você já foi, diz aí nos comentários o que achou!

Já eu, aproveitei os dois pra fazer a blogueira:

IMG_7883Processed with VSCOcam with c1 preset

É, pracinha, te desdenhei por um bom tempinho, mas devo admitir que você tá de parabéns!

Pra Que Lado… tem Rolézinho: Geral do Finde #10

AEAEAE! Falta pouco pro Carnaval chegar e aqui no Rio fim de semana passado rolaram alguns dos blocos que eu mais gosto. Quem me acompanha no Snap (laurahue26) viu um pouquinho da folia, mas aqui vão mais algumas fotos. Esse vai ser mais um post bem colorido.

Tudo começou subindo Santa Teresa no sábado as 7:30 da manhã pro Céu na Terra. Meu coração ficou um pouco apertado porque, um pouco mais tarde, ia rolar o Pérola da Guanabara em Paquetá, mas como eu tinha que sair cedo não pude ir 😦

Por um lado foi bom. Os dois blocos atraem mais ou menos o mesmo público e, com isso, Santa Teresa ficou bem tranquila. Não tava lotaaaaaaaaaaaaado como normalmente fica o Céu na Terra.

Não sei definir muito bem a minha fantasia, porque saí tacando tudo que tinha pra buscar algo entre uma grega e uma egípcia hahahahaha Mas até que rolou.

Tínhamos que sair cedo do bloco por motivos de: festa no mar! Uhul! Nunca tinha ido até as Ilhas Cagarras, que são as ilhas que ficam em frente a Praia de Ipanema. Um amigo da agência fechou um barco pra comemorar o aniversário dele e fomos pra lá.

O passeio é o máximo! Vale super fechar com um pessoal, passar uma tarde por lá e voltar assistindo o pôr do sol.

Domingo pré Carnaval rola o meu bloco favorito de todos, o Fogo e Paixão. Não sei o que acontece, mas todos ou quase todos os publicitários do Rio se encontram lá, então eu me sinto em casa no meio de tanta gente querida ❤

Tava um calor fdp, mas chega uma hora que você incorpora os muito mais que 40 graus e começa a conviver numa boa com ele hahaha As arminhas de água são o acessório mais indispensável em blocos como esse que não andam e tem pouca sombra. Garanta já a sua para esse Carnaval hahaha

No último post que falei sobre os blocos que eu gosto mais, disse que na segunda rolavam os meus preferidos. Aparentemente, eles mudaram de data. Mas esses dois blocos são meio secretos e você só acaba descobrindo mesmo no dia ou no dia anterior. O Modices fez um post com dicas ótimas pra descobrir onde esses blocos vão passar. Dá uma olhada lá!

Beijos!

Rota da (minha) Folia no Rio

Já entramos na época mais colorida e purpurinada do ano e eu ainda não vim aqui fazer a minha listinha de blocos preferidos do Rio.

Eu sou apaixonada por Carnaval. Amo andar pelas ruas e ver todo mundo fantasiado, brincar de guerra de arminha de água com crianças e adultos (sou muito madura hahaha), berrar marchinhas por aí. Ai, muito amor ❤

Fim de semana passado já comecei a folia por alguns blocos, o Desliga da Justiça, GB Bloco e Me Esquece. Sou um pouco anti blocos na zona sul, prefiro os do centro e Santa Teresa, masssss a preguiça ainda estava um pouco forte, então preferi ficar por perto.

Mas o próximo fim de semana já é cheio de blocos maras e aqui vai a minha lista até a terça-feira de Carnaval, porque sei lá como eu estarei na quarta hahahaha.

Sábado 30/01

Céu na Terra – Santa Teresa, na Praça Odylo Costa – Bom chegar BEM cedo, 07:00 no máximo.

DIZEM QUE… o bloco de Paquetá, o Pérola da Guanabara vai ser nesse sábado também. Há quem diga eu de manhã, há quem diga que a tarde… Se você souber, fala aí nos comentários 🙂

Bloco Brasil – Leme, no fim da praia – 16:00

Domingo 31/01

Fogo e Paixão – Centro, no Largo São Francisco de Paula – 09:00

Sexta 05/02

Bloco Virtual – Leme, no Posto 1 – 17:00

Sábado 06/02

Céu na Terra – Santa Teresa, no Largo dos Guimarães – 07:00

Domingo 07/02

Cordão do Boitatá – Arcos da Lapa – 08:00 (um dos meus blocos preferidos. Reserve o dia todo pra ele, porque ele é sem fim hahaha)

Segunda 08/02 

A segunda-feira é meu dia preferido do Carnaval. É o dia dos blocos escondidos.

Desce mas não sobe – É numa rua que desce na Glória e começa bem cedo. É um bloco que não se divulga muito, mas é incrível.

A tarde rola um bloco que muda de nome e de lugar todos os dias. Façam amigos durante os blocos e tentem descobrir. Ano passado só descobri no dia hahaha

Terça 09/02

Ainda to pra fechar esse dia, mas a princípio, vou descansar hahahaha E encerrar o dia no:

Último Gole – Lagoa, no Parque dos Patins – 17:00

 

A gente se encontra por aí!

img_6218

 

Geral das últimas semanas

O blog andou meio parado nos últimos tempos por motivos de job. Muito job. E uma vontade de passar longe de todo and qualquer computador nas horas vagas hahaha. Mas tava sentindo falta de postar umas fotos por aqui, então resolvi fazer um apanhadão geral dos últimos tempos.

O clima no Rio anda numa certa crise de identidade e só chove por aqui. Uma vibe meio Londres, meio São Paulo. Meio chata =/ Mas consegui umas brechinhas de sol e mandei ver na câmera do celular.

Que me acompanha no Snap (você não faz parte dessa linda estatística? Vamos resolver isso a-go-ra: laurahue26), viu as peripécias de Laura and sua tchurminha no casamento do chefe. Um casamento pra rever amigos muito queridos e fazer uma lagriminhas escorrerem. Meu chefe é meu amigo há 5 anos (segundo o Facebook) e a noiva há 4. Então foi só amor ❤

As últimas semanas também foram marcadas por dia deveras importante: meu aniversário! Uhul! Então foram algumas comemorações, alguns presentes e muuuita felicidade! A comemoração número um foi na Hospedaria, um Hostel aqui por Botafogo MUITO gracinha. Vira e mexe rolam uns eventinhos por lá, então sugiro que vocês curtam a página deles no Facebook.

Alguns dos presentes:

Os brigadeiros maravilhosos da Sweet November que me fizeram adiar o projeto verão.

Umas paixõezinhas aqui e acolá ❤

Pra finalizar, o job que tem me mantido ocupada, mas felizona também! O conto de Natal mais lindo ever ❤

Beijos