Técnica nova pra animar

Como vocês podem ter visto no último post, eu tava feliz da vida trabalhando com e durante as Olimpíadas, né? Aí vocês podem ter imaginado que a volta pra vida real não foi lá das mais alegres e fáceis.
Pois bem, terça passada, quando cheguei em casa enlouquecida pra dar uma dormidinha e enlouquecida pra ver o Brasil ganhar alguma medalha (o que não dava mais), foi me batendo uma deprê, uma tristeza.
Mas aí eu pensei EEEEEEEEEEEEEEEEEEPA! Nada de tristeza por aqui PELAMOR! Daí comecei a enumerar as 50 primeiras coisas (pequenas ou não) que me vieram na cabeça e que me fazem um bem danado.
E olha que deu certo! Fiquei bem mais animadinha hahaha
Como eu gosto de compartilhar aqui tudo que mais bem, aqui vai a lista mais valiosa desse blog:
1- Comprar uma passagem
2- cheiro de bolo ou pão quentinhos
3- tomar um vinho/cerveja e dar risada com as amigas
4- ter um papo bom e fluido com alguém
5- abraço que encaixa
6- ouvir uma gargalhada tão boa que te faz rir também
7- descobrir uma música nova muito boa e ter o prazer de ficar ouvindo em repeat por 24 horas
8- acertar o delineador. De primeira. E fazer o outro lado igual.
9- receber um elogio
10- elogiar alguém
11- beijo que encaixa
12- ter a sensação de que você comeu exatamente o que vc queria comer
13- um pote de brigadeiro inteiro a sua disposição
14- completar 10 kms corridos sem parar
15- pedalar por um lugar bonito ouvindo uma trilha sonora boa
16- chegar no caixa de uma loja e descobrir que o que vc vai levar tá com desconto
17- banho quente num dia frio
18- banho frio num dia quente
19- café pra despertar de manhã
20- acordar um minuto antes do despertador tocar. E dar tempo de desarmar ele.
21- descobrir que uma banda que você ama vai fazer show na sua cidade
22- ter olhares retribuídos na night
23- visualizar uma boa foto. E conseguir pegar uma câmera a tempo pra registrar
24- ganhar qualquer brinde. Mesmo que seja um pen drive.
25- conhecer gente nova e do bem
26- ter orgulho de um trabalho
27- pular em uma cama elástica
28- tirar foto em uma instax ou polaroid
29- colecionar vinis, mesmo que você quase nunca os ouça
30- quando um restaurante aceita o vale alimentação
31- ficar de preguiça durante uma manhã de domingo
32- mar calmo num dia de sol
33- pão na chapa com café com leite
34- biscoito globo com matte de galão na praia
35- perder uns quilinhos sem ter feito muito esforço
36- chegar numa faixa pra atravessar e o sinal fechar na hora
37- chegar pra pegar um elevador e ele estar no seu andar
38- encontrar um cenário bonito pra tirar fotos
39- aprender uma palavra nova em uma língua desconhecida
40- inventar uma arte qualquer
41- aprender uma coreografia de uma música
42- encenar uma cena sozinha no banho
43- receber uma massagem
44- usar um salto durante uma noite inteira e sair com o pé inteiro
45- beber num dia e acordar sem ressaca no dia seguinte
46- ir a uma festa e encontrar amigos sem querer
47- fazer uma comida pra alguém. E esse alguém amar a comida
48- dividir experiências de viagens
49- planejar uma viagem
50- ver um video muito engraçado na internet
Tá meio borocoxôzinho? Venha aderir a essa técnica você também!
O que te faz bem?

O que foi Ouro pra mim.

Sempre fiquei muito irritada com as pessoas que criticavam as Olimpíadas perto de mim (entendo todos os problemas do Brasil, gente, mas um evento desse porte poderia trazer tanta coisa boa, né?), mas desde o ano passado eu só respirava Olimpíadas. Eu precisava ser otimista e tentava de todos os jeitos passar esse otimismo adiante. A gente já tinha vivido a Copa do Mundo. A gente sabia o quanto o durante era maneiro. Ia ser igual ou melhor.

E aí as Olimpíadas chegaram e foi MUITO melhor do que eu podia imaginar. O brasileiro de forma geral nunca ligou muito pra Olimpíadas e eu sempre estive nessa estatística. As únicas modalidades que eu lembro de assistir eram Ginástica Rítmica (porque é lindo) e futebol (porque sempre se cria um evento pra assistir um jogo importante).

Mas a gente se envolveu. A gente amou Rafaelas, Isaquias, Thiagos, Diegos, Arthures, os refugiados. A gente acompanhou loucamente uma final de Tiro – e achou emocionante. A gente aprendeu as regras de esgrima. A gente agora entende tudo de pirueta. A gente conheceu ídolos, torceu por eles, ficou de coração mole quando eles choraram no pódio (eu chorei em TODOS os pódios que eu assisti. Só de lembrar agora já to aqui com um nozinho na garganta).

Aqui no Rio, vi mais gente com mapa na mão do que sem. E isso me dá um orgulho! Sou completamente apaixonada pela minha cidade (como vocês já devem ter percebido) e ver todo mundo aqui… ai, eu nem sei o que dizer. Só sentir… Todo mundo virou guia turístico, abriu as portas para amigos de fora, quis conhecer e ver tudo que tinha pra fazer durante esses dias na cidade (embora fosse impossível ver tudo). Foi lindo ❤

E enquanto tudo isso rolava, eu estava lá no Boulevard Olímpico, dentro do Parada Coca-Cola, fazendo parte de uma mega engenhoca que fez com que as redes sociais da marca contassem pelo menos um pouco de toda essa história linda que eu contei nos parágrafos acima.

O Boulevard, pra mim, ficou um dos lugares mais legais do Rio. Toda a revitalização deu um levante no ego do lugar, que era trashzêra braba. Foi incrível ir pra lá todos os dias e dar sempre uma voltinha pra comer uma empanada, um sorvete e tirar uma foto.

Foi muito intenso. Lembro no dia da abertura que o meu turno era até 15:30. Saí para encontrar umas amigas. Comecei a assistir a abertura com elas no Jardim de Alah. Não aguentei e pedi um Uber e saí correndo para o centro da cidade pra acompanhar o resto da cerimônia com o pessoal e trabalhando hahahaha

Foi intenso também porque além do ritmo do trabalho que era puxado, ainda tinha o ritmo de uma pessoa que não queria perder nada! Queria assistir jogos, ir em todas as casas de todos os países e marcas, encontrar os amigos e ainda ter saúde no final (isso não deu, porque eu fiquei gripada, claro hahaha). Tudo não deu pra fazer, mas deu pra curtir bastante.

Pra mim as Olimpíadas tem uma magia de união muito única. Tem chance pra muita gente ganhar e quando eles ganham, AH, como é emocionante. Você saber que aquele atleta dedicou a vida dele inteira pra se resolver em algumas horas, minutos ou até segundos. Isso é muito foda! Mas também tem o lado ruim se ele perde, mas prefiro não falar disso porque se não eu choro (hahaha dá pra perceber que eu to levemente emotiva, né?)

E o último pódio? No meio da cerimônia de abertura. O sorrisão do americano? O cara da Etiópia que tava todo sério e quando ouviu o grito da galera abriu um sorriso? A felicidade do queniano, que deu a levantada de ombrinho mais fofa do mundo? O hino do Kenya tocando e ele no meio de toda aquela galera que talvez nem soubesse quem ele era antes. E ele num momento que o mundo inteiro tava vendo. E era só dele. GENTE! Se isso não é especial, eu não sei mais o que pode ser.

Enfim, pra terminar o textão, um super obrigada a Coca-Cola por ter me envolvido nisso, por me despertar essa paixão, por me deixar tão apaixonada por uma campanha e por me fazer ter uma das melhores experiências da minha vida. E um obrigada a todos os envolvidos que tavam lá. Vocês são FODA!

#IssoÉOuro 

E que venham as Paralimpíadas!

6 on 6 de julho

Nesse post aqui contei o que era o 6 on 6, como fui convidada pra esse grupo etc.

Como vocês bem podem perceber, eu ando pseudo desaparecida daqui e das redes sociais de modo geral hahaha. Passando as Olimpíadas, gente, tudo vai mudar. Eu juro! (eu espero também hahaha)

Aí né, que ontem foi dia 6 e eu já estou atrasada nas fotos do mês. Mas aqui vão elas. No clima junino, com bandeirinhas, com um forrozinho como trilha sonora e muitas calorias. ❤ #melhorépoca E, não sei se é porque eu nunca me atentei pra essa época aqui no Rio, mas esse ano pelo menos tem rolado várias festas na rua, num climinha de Carnaval. Tá uma delícia!

Processed with VSCO with a5 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetimg_0003img_0004img_0051

  1. Arraiá do Multibloco nos Arcos da Lapa.
  2. Arraiá do Pérola da Guanabara em Paquetá (essa foto é roubada porque já entrou aqui no post de Paquetá hehe)
  3. Arraiá do Rivalzinho
  4. Arraiá do Largo do Boticário
  5. Arraiá do Largo do Boticário
  6. Arraiá do Largo do Boticário

Quem aqui também tá nesse clima junino?

Se você ainda não viu o blog das outras meninas, vai lá agoraaaa! hahaha

Na Minha Vida – Sunshine By LuDois Sorrisos – Café com Sorvete

6 on 6

Dia desses tava pelo trabs quando me chega uma mensagem da Lu Alves pelo Instagram me chamando pra participar de um 6 on 6. Aí eu pergunto pras pessoas ao meu redor se alguém sabia o que era e me respondem: deve ser suruba, Laura. Não vai não hahahahaha

Até que uma das meninas presentes me ajuda a desvendar o mistério. A ideia é juntar seis blogueyras(os) e todo dia 6 vamos postar 6 fotos lindas and inéditas que sejam do mesmo tema. OU SEJE, uma suruba de fotos bonitas tiradas por pessoas super talentosas 🙂

Meu tema, seguindo o estilo Pra Que Lado de ser, mostra alguns pontos do Rio clicados no mesmo horário, durante o pôr do sol.

Processed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 preset

  1. O pôr do sol visto por quem está na segunda foto.
  2. O Museu do Amanhã, na Praça Mauá, que nasceu pra ser fotografado e brilhar.
  3. Não é no Rio, mas em Búzios, na Praia da Ferradura, depois de um fim de semana super divertido com as migas.
  4. A vista do Bira de Guaratiba, restaurante mara, porém longe. Mas que vale cada centavo e cada km rodado pra chegar lá.
  5. Um fim de tarde em Ipanema.
  6. Um fim de tarde Al Mare na festa de fim de ano da firma.

E as minhas companheiras de 6 on 6 são essas aqui:

Na Minha Vida – Sunshine By LuDois Sorrisos – Café com Sorvete

Espero que vocês gostem.

Verão chegou!

Como se já não bastasse a gente conviver com ele aqui pelo Rio o ano inteiro, ele tem uma data pra chegar de vez. E veio que veio. Raiando o sol lá em cima e fazendo a temperatura subir tipo a cobra do É o Tchan (nossa! Que comparação! hahaha)

Pra tentar amenizar o calor, aqui vão umas fotos refrescantes, pra ver se, pelo menos virtualmente, dá pra melhorar um pouquinho a situ.

Cortar o cabelo dá um frescor imediato. Providenciei isso para esse verão e tô feliz da vida com a nuca livre hahahaha

Processed with VSCOcam with g3 preset

E como o verão é uma época animada, aqui vai uma playlist animadinha pra dar uma embalada na estação.

#vemquentequeagentetáfervendo

Ui.

Pra Que Lado… tem abstinência de celular

É, gente. Eu fui pra São Paulo no fim de semana animadíssima pra tirar várias fotos, fazer livestream no Snapchat (tendência, né gentem?) do show dos Los Hermanos, dar várias dicas e talz ATÉ QUE, lá no meio do show, meu destino cruzou com o de um desgraçado, infeliz e mal amado, que enfiou sua bela mãozinha na minha bolsa, abriu e levou meu lindo celular que estava lá dentro.

Com o celular, ele levou mais de 5 mil fotos. Sendo que, dessas, umas 3 mil eu não tinha feito backup porque meu computador não estava reconhecendo meu celular e eu, até então, não tinha tido paciência pra entender o Icloud.

MAS OK. Vamos fazer do limão uma limonada. E compartilhar aqui a minha uma semana sem celular.

Primeiras dificuldades:

  • No fim do show, resolvi ir ao banheiro sozinha, sem o celular, numa cidade que não era a minha e sem saber de cor o número de ninguém que estava comigo. Parece inteligente? Não muito. Eu pensei nisso na hora? Jamais! hahaha foram uns 10 minutos meio tensos até um deles me avistar e me resgatar. hahahaha
  • Voltei de ônibus e cheguei na rodoviária uma meia hora antes do horário. Uma espera sem celular, queridos, pode durar uma eternidade. Aproveitei pra observar as pessoas que estavam ao meu redor com mais afinco e, claro, tava todo mundo olhando pra sua telinha. Exceto por um japinha simpático que estava sentado do meu lado com não uma telinha, mas TRÊS. Ao mesmo tempo. Um computador no colo, vendo uns códigos loucões, um celular enorme numa mão e um videogamezinho na outra. Ele jogava um jogo que, a meu ver, era sem graça. Mas ele ria muito. Devia dar alguma onda, não sei hahaha
  • Peguei um trânsito na Avenida Brasil na volta. O ônibus que deveria chegar as 5:10, chegou as 6:30. Podia ter ligado pra casa de um orelhão na rodô pra avisar que eu ia demorar um pouco mais? Podia. Fiz isso? Não, claro hahaha. Aí fui pra fora da Rodoviária tentar pegar um taxi. Só que queriam me cobrar 45 reais pra fazer um percurso que não daria nem 20. Não né, migs? Resolvi pegar um ônibus e acabei dando uma volta pelo centro da cidade. Resumindo, cheguei em casa duas horas depois e mamãe já tava ligando pra 1001 (a empresa de ônibus) pra saber se tava tudo bem hahahahaha (Mãe, te amo <3)
  • Diariamente, meu computador dá um pau e reinicia sozinho. Nesse momento eu  sempre pego o celular pra ver alguma coisa. E cadê celular?
  • Aqueles últimos minutos antes de dormir, aquela última olhadinha no Instagram, a última conferida no Snapchat e nos grupos do Whatsapp. Ontem fui dormir sem tudo isso. Que vazio, gente!

Até agora, essas foram as maiores dificuldades encontradas hahaha mas é muito bizarro pensar que viveu-se muito tempo nesse mundo sem um celular e mais ainda sem um smartphone e hoje em dia a gente depende tanto deles.

Vou anotando minhas experiências sem um celular ao longo da semana e volto aqui pra contar pra vocês, mas mal posso esperar pra voltar pro Instagram e pro Snapchat.

Pra Que Lado… tem Inspiração: Primavera

Começou a primavera, minha estação preferida do ano. Além de fazer o calor chegar de vez (eu reclamo, mas amo hahaha), acho que tudo fica mais bonito. Por acaso também é a estação do meu aniversário hehehe Pra comemorar a data, vim aqui falar sobre duas marcas que levam flores pra todos os lados e eu ando apaixonada.

11336086_1626702317571309_1956719894_n 11906288_925733347480860_321020765_n

Studio Lily

11196263_824560947598358_1760916288799688852_n

foto cedida pelo Studio Lily

11813516_867191390001980_2730978647608988896_n

foto cedida pelo Studio Lily

A Gabi e o Leo sempre amaram flores e queriam criar uma floricultura legal, onde pudessem ter contato com os clientes e mostrar pro mundo que dá pra fazer arranjos menos caretas (e enlouquecedoramente lindos). Também queriam mostrar pro mundo que comprar flores é medidativo, prazeroso, faz bem pra alma e pra casa. Em 2014 lançaram a Pop Up Kombi, que frequenta eventos super legais pelo Rio.

Segue eles pra ver pra onde a Kombi vai: Facebook e Instagram

Varanda Flores

_MG_2812 Gabi Nehring Fotos

foto por Gabi Nehring

_MG_2996 Gabi Nehring Fotos

foto por Gabi Nehring

A psicóloga Ana já fazia arranjos e decoração pra eventos e um belo dia, resolveu unir as flores a sua bicicleta, que ela já andava pra cima e pra baixo. Fez um curso de Design Floral e o resultado é uma bike fofa demais espalhando mil cores pela Zona Sul do Rio.

Pra ver pra que lado a bicicleta vai, acompanha aqui: Facebook e Instagram.

Flower Trucks pra todos os lado é muito amor ❤ Seja bem-vinda, primavera!