Técnica nova pra animar

Como vocês podem ter visto no último post, eu tava feliz da vida trabalhando com e durante as Olimpíadas, né? Aí vocês podem ter imaginado que a volta pra vida real não foi lá das mais alegres e fáceis.
Pois bem, terça passada, quando cheguei em casa enlouquecida pra dar uma dormidinha e enlouquecida pra ver o Brasil ganhar alguma medalha (o que não dava mais), foi me batendo uma deprê, uma tristeza.
Mas aí eu pensei EEEEEEEEEEEEEEEEEEPA! Nada de tristeza por aqui PELAMOR! Daí comecei a enumerar as 50 primeiras coisas (pequenas ou não) que me vieram na cabeça e que me fazem um bem danado.
E olha que deu certo! Fiquei bem mais animadinha hahaha
Como eu gosto de compartilhar aqui tudo que mais bem, aqui vai a lista mais valiosa desse blog:
1- Comprar uma passagem
2- cheiro de bolo ou pão quentinhos
3- tomar um vinho/cerveja e dar risada com as amigas
4- ter um papo bom e fluido com alguém
5- abraço que encaixa
6- ouvir uma gargalhada tão boa que te faz rir também
7- descobrir uma música nova muito boa e ter o prazer de ficar ouvindo em repeat por 24 horas
8- acertar o delineador. De primeira. E fazer o outro lado igual.
9- receber um elogio
10- elogiar alguém
11- beijo que encaixa
12- ter a sensação de que você comeu exatamente o que vc queria comer
13- um pote de brigadeiro inteiro a sua disposição
14- completar 10 kms corridos sem parar
15- pedalar por um lugar bonito ouvindo uma trilha sonora boa
16- chegar no caixa de uma loja e descobrir que o que vc vai levar tá com desconto
17- banho quente num dia frio
18- banho frio num dia quente
19- café pra despertar de manhã
20- acordar um minuto antes do despertador tocar. E dar tempo de desarmar ele.
21- descobrir que uma banda que você ama vai fazer show na sua cidade
22- ter olhares retribuídos na night
23- visualizar uma boa foto. E conseguir pegar uma câmera a tempo pra registrar
24- ganhar qualquer brinde. Mesmo que seja um pen drive.
25- conhecer gente nova e do bem
26- ter orgulho de um trabalho
27- pular em uma cama elástica
28- tirar foto em uma instax ou polaroid
29- colecionar vinis, mesmo que você quase nunca os ouça
30- quando um restaurante aceita o vale alimentação
31- ficar de preguiça durante uma manhã de domingo
32- mar calmo num dia de sol
33- pão na chapa com café com leite
34- biscoito globo com matte de galão na praia
35- perder uns quilinhos sem ter feito muito esforço
36- chegar numa faixa pra atravessar e o sinal fechar na hora
37- chegar pra pegar um elevador e ele estar no seu andar
38- encontrar um cenário bonito pra tirar fotos
39- aprender uma palavra nova em uma língua desconhecida
40- inventar uma arte qualquer
41- aprender uma coreografia de uma música
42- encenar uma cena sozinha no banho
43- receber uma massagem
44- usar um salto durante uma noite inteira e sair com o pé inteiro
45- beber num dia e acordar sem ressaca no dia seguinte
46- ir a uma festa e encontrar amigos sem querer
47- fazer uma comida pra alguém. E esse alguém amar a comida
48- dividir experiências de viagens
49- planejar uma viagem
50- ver um video muito engraçado na internet
Tá meio borocoxôzinho? Venha aderir a essa técnica você também!
O que te faz bem?

O que foi Ouro pra mim.

Sempre fiquei muito irritada com as pessoas que criticavam as Olimpíadas perto de mim (entendo todos os problemas do Brasil, gente, mas um evento desse porte poderia trazer tanta coisa boa, né?), mas desde o ano passado eu só respirava Olimpíadas. Eu precisava ser otimista e tentava de todos os jeitos passar esse otimismo adiante. A gente já tinha vivido a Copa do Mundo. A gente sabia o quanto o durante era maneiro. Ia ser igual ou melhor.

E aí as Olimpíadas chegaram e foi MUITO melhor do que eu podia imaginar. O brasileiro de forma geral nunca ligou muito pra Olimpíadas e eu sempre estive nessa estatística. As únicas modalidades que eu lembro de assistir eram Ginástica Rítmica (porque é lindo) e futebol (porque sempre se cria um evento pra assistir um jogo importante).

Mas a gente se envolveu. A gente amou Rafaelas, Isaquias, Thiagos, Diegos, Arthures, os refugiados. A gente acompanhou loucamente uma final de Tiro – e achou emocionante. A gente aprendeu as regras de esgrima. A gente agora entende tudo de pirueta. A gente conheceu ídolos, torceu por eles, ficou de coração mole quando eles choraram no pódio (eu chorei em TODOS os pódios que eu assisti. Só de lembrar agora já to aqui com um nozinho na garganta).

Aqui no Rio, vi mais gente com mapa na mão do que sem. E isso me dá um orgulho! Sou completamente apaixonada pela minha cidade (como vocês já devem ter percebido) e ver todo mundo aqui… ai, eu nem sei o que dizer. Só sentir… Todo mundo virou guia turístico, abriu as portas para amigos de fora, quis conhecer e ver tudo que tinha pra fazer durante esses dias na cidade (embora fosse impossível ver tudo). Foi lindo ❤

E enquanto tudo isso rolava, eu estava lá no Boulevard Olímpico, dentro do Parada Coca-Cola, fazendo parte de uma mega engenhoca que fez com que as redes sociais da marca contassem pelo menos um pouco de toda essa história linda que eu contei nos parágrafos acima.

O Boulevard, pra mim, ficou um dos lugares mais legais do Rio. Toda a revitalização deu um levante no ego do lugar, que era trashzêra braba. Foi incrível ir pra lá todos os dias e dar sempre uma voltinha pra comer uma empanada, um sorvete e tirar uma foto.

Foi muito intenso. Lembro no dia da abertura que o meu turno era até 15:30. Saí para encontrar umas amigas. Comecei a assistir a abertura com elas no Jardim de Alah. Não aguentei e pedi um Uber e saí correndo para o centro da cidade pra acompanhar o resto da cerimônia com o pessoal e trabalhando hahahaha

Foi intenso também porque além do ritmo do trabalho que era puxado, ainda tinha o ritmo de uma pessoa que não queria perder nada! Queria assistir jogos, ir em todas as casas de todos os países e marcas, encontrar os amigos e ainda ter saúde no final (isso não deu, porque eu fiquei gripada, claro hahaha). Tudo não deu pra fazer, mas deu pra curtir bastante.

Pra mim as Olimpíadas tem uma magia de união muito única. Tem chance pra muita gente ganhar e quando eles ganham, AH, como é emocionante. Você saber que aquele atleta dedicou a vida dele inteira pra se resolver em algumas horas, minutos ou até segundos. Isso é muito foda! Mas também tem o lado ruim se ele perde, mas prefiro não falar disso porque se não eu choro (hahaha dá pra perceber que eu to levemente emotiva, né?)

E o último pódio? No meio da cerimônia de abertura. O sorrisão do americano? O cara da Etiópia que tava todo sério e quando ouviu o grito da galera abriu um sorriso? A felicidade do queniano, que deu a levantada de ombrinho mais fofa do mundo? O hino do Kenya tocando e ele no meio de toda aquela galera que talvez nem soubesse quem ele era antes. E ele num momento que o mundo inteiro tava vendo. E era só dele. GENTE! Se isso não é especial, eu não sei mais o que pode ser.

Enfim, pra terminar o textão, um super obrigada a Coca-Cola por ter me envolvido nisso, por me despertar essa paixão, por me deixar tão apaixonada por uma campanha e por me fazer ter uma das melhores experiências da minha vida. E um obrigada a todos os envolvidos que tavam lá. Vocês são FODA!

#IssoÉOuro 

E que venham as Paralimpíadas!