O que foi Ouro pra mim.

Sempre fiquei muito irritada com as pessoas que criticavam as Olimpíadas perto de mim (entendo todos os problemas do Brasil, gente, mas um evento desse porte poderia trazer tanta coisa boa, né?), mas desde o ano passado eu só respirava Olimpíadas. Eu precisava ser otimista e tentava de todos os jeitos passar esse otimismo adiante. A gente já tinha vivido a Copa do Mundo. A gente sabia o quanto o durante era maneiro. Ia ser igual ou melhor.

E aí as Olimpíadas chegaram e foi MUITO melhor do que eu podia imaginar. O brasileiro de forma geral nunca ligou muito pra Olimpíadas e eu sempre estive nessa estatística. As únicas modalidades que eu lembro de assistir eram Ginástica Rítmica (porque é lindo) e futebol (porque sempre se cria um evento pra assistir um jogo importante).

Mas a gente se envolveu. A gente amou Rafaelas, Isaquias, Thiagos, Diegos, Arthures, os refugiados. A gente acompanhou loucamente uma final de Tiro – e achou emocionante. A gente aprendeu as regras de esgrima. A gente agora entende tudo de pirueta. A gente conheceu ídolos, torceu por eles, ficou de coração mole quando eles choraram no pódio (eu chorei em TODOS os pódios que eu assisti. Só de lembrar agora já to aqui com um nozinho na garganta).

Aqui no Rio, vi mais gente com mapa na mão do que sem. E isso me dá um orgulho! Sou completamente apaixonada pela minha cidade (como vocês já devem ter percebido) e ver todo mundo aqui… ai, eu nem sei o que dizer. Só sentir… Todo mundo virou guia turístico, abriu as portas para amigos de fora, quis conhecer e ver tudo que tinha pra fazer durante esses dias na cidade (embora fosse impossível ver tudo). Foi lindo❤

E enquanto tudo isso rolava, eu estava lá no Boulevard Olímpico, dentro do Parada Coca-Cola, fazendo parte de uma mega engenhoca que fez com que as redes sociais da marca contassem pelo menos um pouco de toda essa história linda que eu contei nos parágrafos acima.

O Boulevard, pra mim, ficou um dos lugares mais legais do Rio. Toda a revitalização deu um levante no ego do lugar, que era trashzêra braba. Foi incrível ir pra lá todos os dias e dar sempre uma voltinha pra comer uma empanada, um sorvete e tirar uma foto.

Foi muito intenso. Lembro no dia da abertura que o meu turno era até 15:30. Saí para encontrar umas amigas. Comecei a assistir a abertura com elas no Jardim de Alah. Não aguentei e pedi um Uber e saí correndo para o centro da cidade pra acompanhar o resto da cerimônia com o pessoal e trabalhando hahahaha

Foi intenso também porque além do ritmo do trabalho que era puxado, ainda tinha o ritmo de uma pessoa que não queria perder nada! Queria assistir jogos, ir em todas as casas de todos os países e marcas, encontrar os amigos e ainda ter saúde no final (isso não deu, porque eu fiquei gripada, claro hahaha). Tudo não deu pra fazer, mas deu pra curtir bastante.

Pra mim as Olimpíadas tem uma magia de união muito única. Tem chance pra muita gente ganhar e quando eles ganham, AH, como é emocionante. Você saber que aquele atleta dedicou a vida dele inteira pra se resolver em algumas horas, minutos ou até segundos. Isso é muito foda! Mas também tem o lado ruim se ele perde, mas prefiro não falar disso porque se não eu choro (hahaha dá pra perceber que eu to levemente emotiva, né?)

E o último pódio? No meio da cerimônia de abertura. O sorrisão do americano? O cara da Etiópia que tava todo sério e quando ouviu o grito da galera abriu um sorriso? A felicidade do queniano, que deu a levantada de ombrinho mais fofa do mundo? O hino do Kenya tocando e ele no meio de toda aquela galera que talvez nem soubesse quem ele era antes. E ele num momento que o mundo inteiro tava vendo. E era só dele. GENTE! Se isso não é especial, eu não sei mais o que pode ser.

Enfim, pra terminar o textão, um super obrigada a Coca-Cola por ter me envolvido nisso, por me despertar essa paixão, por me deixar tão apaixonada por uma campanha e por me fazer ter uma das melhores experiências da minha vida. E um obrigada a todos os envolvidos que tavam lá. Vocês são FODA!

#IssoÉOuro 

E que venham as Paralimpíadas!

6 on 6 de julho

Nesse post aqui contei o que era o 6 on 6, como fui convidada pra esse grupo etc.

Como vocês bem podem perceber, eu ando pseudo desaparecida daqui e das redes sociais de modo geral hahaha. Passando as Olimpíadas, gente, tudo vai mudar. Eu juro! (eu espero também hahaha)

Aí né, que ontem foi dia 6 e eu já estou atrasada nas fotos do mês. Mas aqui vão elas. No clima junino, com bandeirinhas, com um forrozinho como trilha sonora e muitas calorias.❤ #melhorépoca E, não sei se é porque eu nunca me atentei pra essa época aqui no Rio, mas esse ano pelo menos tem rolado várias festas na rua, num climinha de Carnaval. Tá uma delícia!

Processed with VSCO with a5 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetimg_0003img_0004img_0051

  1. Arraiá do Multibloco nos Arcos da Lapa.
  2. Arraiá do Pérola da Guanabara em Paquetá (essa foto é roubada porque já entrou aqui no post de Paquetá hehe)
  3. Arraiá do Rivalzinho
  4. Arraiá do Largo do Boticário
  5. Arraiá do Largo do Boticário
  6. Arraiá do Largo do Boticário

Quem aqui também tá nesse clima junino?

Se você ainda não viu o blog das outras meninas, vai lá agoraaaa! hahaha

Na Minha Vida – Sunshine By LuDois Sorrisos – Café com Sorvete

Em Paquetá

Todo Carnaval e meados de junho e julho, várias pessoas pegam suas fantasias/roupas de festa junina, se arrumam e pegam a barca na Praça XV rumo a Paquetá.

Pra quem não conhece, Paquetá é uma ilha aqui do Rio que fica no meio da Baia de Guanabara. Bem no meião mesmo. Quando você chega lá, você sente que está numa cidadezinha que parou no tempo (apesar de não ser uma cidade). Não tem carro, as casinhas são super fofas. Um ar delicia de interior.

Sempre tenho alguma outra coisa pra fazer e nunca consigo ir pras festas lá. Fico morrendo de pena quando as pessoas começam a compartilhar as fotos. Mas aí dessa vez tava eu de bobeira em casa, quando uma amiga avisa que a festa junina seria num domingo que eu não tinha nada pra fazer. Quase dei um pulo da cama! Já não dava mais tempo de arrumar uma roupitcha de festa junina, mas tudo bem hahaha vai normal mesmo.

Normalmente a festa já começa na barca, quando as bandas tão a caminho da ilha. Mas a gente perdeu essa barca hahahaha

Como só dá pra ir e voltar de barca, é bom ficar ligado nos horários de ida e volta. Principalmente da volta, pra não correr o risco de ter que descolar um canto pra dormir por lá.

Num dia normal, sem festa, super dá pra ir pra lá curtir o dia. Dessa vez fomos catar um lugar que vendia a cerveja Paquetá (uma cerveja artesanal bem boa) e fomos parar na Casa das Artes. SÉRIO! QUE LUGAR FOFO! Parece uma construção daquelas do Gaudi, lá de Barcelona.

Lá rola almoço e vende a tal da cerveja, que vale muito a pena experimentar. Aí depois de dar uma voltinha pela ilha, senta lá pra comer, assiste o pôr do sol e volta. Delicinha de passeio❤

img_9811Processed with VSCO with c1 preset

Luki do Dya #1

OPAOPA

Olha só quem veio aqui colocar mais um lukizinho descolêra pra vocês.

Sempre que a C&A lança essas parcerias as lojas viram um cabo de guerra pra ver quem fica com o quê, né?

Aí nessa coleção da Joulik eu segurei firme a respiração e abri calmamente o site pra ver o que tinha de bom. De cara vi essa jaqueta. Foi amor a primeira vista. O coração bateu forte daquele jeito que vocês podem imaginar. Bateu mais forte principalmente porque ela estava esgotada. Né? Aquele amor correspondido que só faz com que a gente se apaixone mais hahahaha

Aí resolvi dar mais uma chance pra essa paixão e fui na loja de Botafogo pra ver se rolava algo por lá. E NÃO É QUE QUANDO EU CHEGUEI LÁ, UMA MOCINHA ESTAVA RECOLOCANDO UMA FILHA ÚNICA LÁ NA ARARA? Catei ela quase chorando com musiquinha de glória tocando no fundo.

E o amor é tão sincero que tem uns 4 dias que não tiro ela de mim hahaha juro!

Pra completar o luki, tem o brincão babado da Paolla Falcão que eu tinha acabado de comprar n’O Cluster, essa bolsa de abacaxis que comprei na Bhering há um tempinho e o melhor tênis do mundo, o Stan Smith da Adidas.

img_9584

 

A Paolla Falcão tem uns acessórios que são sacanagem. Vai lá no instagram dela pra babar um pouquinho.

Beijo!

6 on 6

Dia desses tava pelo trabs quando me chega uma mensagem da Lu Alves pelo Instagram me chamando pra participar de um 6 on 6. Aí eu pergunto pras pessoas ao meu redor se alguém sabia o que era e me respondem: deve ser suruba, Laura. Não vai não hahahahaha

Até que uma das meninas presentes me ajuda a desvendar o mistério. A ideia é juntar seis blogueyras(os) e todo dia 6 vamos postar 6 fotos lindas and inéditas que sejam do mesmo tema. OU SEJE, uma suruba de fotos bonitas tiradas por pessoas super talentosas:)

Meu tema, seguindo o estilo Pra Que Lado de ser, mostra alguns pontos do Rio clicados no mesmo horário, durante o pôr do sol.

Processed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 presetProcessed with VSCO with c1 preset

  1. O pôr do sol visto por quem está na segunda foto.
  2. O Museu do Amanhã, na Praça Mauá, que nasceu pra ser fotografado e brilhar.
  3. Não é no Rio, mas em Búzios, na Praia da Ferradura, depois de um fim de semana super divertido com as migas.
  4. A vista do Bira de Guaratiba, restaurante mara, porém longe. Mas que vale cada centavo e cada km rodado pra chegar lá.
  5. Um fim de tarde em Ipanema.
  6. Um fim de tarde Al Mare na festa de fim de ano da firma.

E as minhas companheiras de 6 on 6 são essas aqui:

Na Minha Vida – Sunshine By LuDois Sorrisos – Café com Sorvete

Espero que vocês gostem.

Playlist de Maio

É engraçado observar as playlists do mês quando o mês acaba e fazer um mini retrospectiva do que rolou.

Comecei o mês de maio sendo apresentada ao “As Bahias e a Cozinha Mineira”, que é uma banda brasileira nova incrível! E mostrando ela para as minhas amigas, elas me fizeram ouvir Liniker. E passei a primeira semana do mês no repeat entre os dois.

Aí foram surgindo os casamentos. Foram dois em maio, o que me fez incluir umas músicas animadinhas pra empolgar a produção hahaha

Aí depois, fui passar o fim de semana em SP e fui apresentada ao Claptone, um Dj da Alemanha que tocou numa festa que fui por lá. A festa foi horrorosa, mas o legado da música foi bom e eu voltei viciada hahaha

Enfim, aperta o play e sinta essa emoção você também!